Chapada Diamantina

 

 

LENÇÓIS E VALE DO CAPÃO - BA

 

PAISAGENS - IMPRESSÕES SENSORIAIS

 

Sabe quando algo te arrebata para além de você, além da sua condição humana? Pois é, ali é assim. Um território predominantemente geológico. Que visivelmente se configurou, inúmeras vezes, muito antes que a vida humana habitasse a Terra. E guarda suas marcas e memórias geológicas. Como um território feito em camadas.

 

Um território selvagem? Sim, essa foi a primeira impressão que tive, talvez pela vastidão que o olhar não consegue capturar e pelo toque árduo em suas pedras. Cheguei pela cidade de Lençóis, e já fui logo andarilhando e escalando o leito e as margens rochosas e arenosas de seu rio.

 

Porém selvagem é um termo raso demais somente como significado de agreste, bravio ou não cultivado pelas mãos humanas. Aqui o próprio selvagem também se apresenta em camadas, estratos. E acaba se mostrando como exuberante, extravagante, arredio sim senhor, licencioso, solitário, majestoso e incrivelmente autorrealizado. Ocupamos porque insistimos.

 

Existe também a camada da água, seja em abundância ou em falta. A fluência e a qualidade das águas que moldam novas paisagens, vegetações e segredos. Ora a caatinga, ora campos rupestres, ora a vegetação da mata atlântica ou até mesmo um mini-pantanal com lírios aquáticos e suaves bancos de areia.

 

Serras, formações rochosas, vales, nascentes de rios, montanhas, grutas, poços, cachoeiras e muito mais mesclados num vasto território que abrange várias cidades e fusão de culturas no centro do sertão baiano . Um lugar único.

 

Percebo que na minha visita à Chapada Diamantina estive somente na sua beirada, tal qual a ponta do iceberg como se costuma dizer. As distâncias são grandes. Outras cidades, lugares e culturas ainda para explorar e sentir.

COMO CHEGAR

 

- A cidade de Lençóis é a principal porta de chegada da Chapada Diamantina e está aproximadamente a 400 km de distância de Salvador (BA). E se você pensa em alugar um carro para fazer seus passeios, o melhor é já providenciá-lo na sua chegada em Salvador ou ainda em Feira de Santana, pois só há uma opção de locadora em Lençóis. Essa seria a condição ideal para se ter autonomia ao longo da viagem, pois as distâncias entre as cidades (e atrações) da Chapada são grandes e as estradas locais muitas vezes de chão batido, ou seja, na escolha do carro prefira um utilitário ou um carro esportivo (suspensão alta).

 

E se você não estiver de carro, sem problemas, pois é possível acessar a Chapada Diamantina de ônibus, com saídas diárias de Salvador, e explorá-la através das inúmeras opções de passeios promovidos pelas agências/pousadas da região  ou combinando diretamente com um guia local quando chegar lá. De ônibus você também acessa a região mais ao Sul da Chapada, através da cidade Rio das Contas. Existe também um voo semanal (duração 45min.) que faz direto Salvador-Lençóis-Salvador.

 

Para informações sobre a Chapada Diamantina não deixe de visitar o excelente site www.guiachapadadiamantina.com.br Ali você vai encontrar as informações necessárias e bem detalhadas para programar a sua viagem e se quiser também você pode baixar um aplicativo (para smartphone ou tablet) com o Guia da Chapada Diamantina.

 

DICAS PESSOAIS

 

- A charmosa Lençóis é a cidade com maior infraestrutura para abrigar o turista, porém não a única que oferece lindas atrações. Em Lençóis você vai encontrar formas para organizar seus passeios durante o dia, vida noturna com barzinhos e restaurantes charmosos nos calçadões, comida típica regional, lojas e ateliês (procure pela ceramista Sílvia Lopes). Porém você pode também visitar e se hospedar em outras cidades/vilarejos caso você tenha tempo.

 

- Em Lençóis não deixe de se hospedar na Pousada do Alcino (www.alcinoestalagem.com), um verdadeiro charme. Um casario colonial recuperado, em cada detalhe, com arte e criatividade. O café da manhã é o grande encontro ao redor de uma mesa de fazenda para degustar os diversos quitutes e iguarias da cozinha local. Delicioso, para ser curtido e saboreado enquanto são compartilhadas preciosas dicas e experiências de passeios. A própria pousada tem como te auxiliar na organização do seu passeio turístico, na sugestão de onde ir e indicação de guias locais. E através do Alcino conheci a Virgínia, uma guia excelente. Chegando lá pergunte por ela ou tente nesses telefones que ela deixou de contato: (75) - 3334 1530 ou (75) - 3344 1963.

 

- Um detalhe importante e que me chamou atenção, já que sou uma viajante independente: você vai precisar de guias. Ou ao menos de orientações bem precisas do pessoal local. Em primeiro lugar pela sua segurança para evitar transtornos, para você não se perder e nem perder tempo. E depois porque é realmente um lugar selvagem e sem nenhuma sinalização de acesso às suas atrações naturais. Nem nas estradas, nem no Parque e nem em trilhas locais.

 

- Acabou de chegar em Lençóis e não sabe ainda por onde começar? Vai direto para o por do sol no Morro do Pai Inácio. Cartão postal que lhe dará às boas vindas solenemente. Namastê!

 

- Na minha viagem fiquei também uns dias curtindo o Vale do Capão. Pés descalços, ruas de terra, um astral rural que gosto e cultura alternativa integrada com os nativos. Por lá você também vai encontrar muitos estrangeiros morando ou visitando, escolas de música e dança, escola de circo, pedagogia Waldorf, ou seja, muita coisa acontecendo no meio do Sertão baiano, a 400km de Salvador e que nem imaginamos.

 

- Se for ao vale do Capão (que pode ser a pé) não deixe de ir na Cachoeira Águas Claras, no sopé do Morrão. É um bálsamo! Tem uma paisagem delicada e que se abre no chão do vale, com aros de pedras por onde passam as águas e você pode explorar com seu corpo. A trilha é longa, porém plana, fácil e muito agradável no meio de um campo rupestre, sendo guiada pelo Morrão o tempo todo. Você já esteve na Irlanda? Eu não, mas algo ali me remeteu àquelas paragens.

 

- No Vale do Capão fica também a Cachoeira da Fumaça e tantos outros passeios ao seu redor. Informe-se sobre a melhor época para visitas.

 

- Para quem gosta de trekking não deixe de experimentar o roteiro pelo Vale do Pati. Dorme-se nas casas dos moradores locais que as adaptaram ao turismo da região.

 

- Um outro passeio que também é muito restaurativo e pode cair bem entre uma aventura e outra é ir até o Rio Roncador (por Andaraí ou Lençóis). Um verdadeiro Santuário! Piscinas naturais e hidromassagens formadas pelos bolsões das rochas, como crateras mesmo. E aqui a sensação é que essas pedras realmente abrigam memórias de um tempo geológico muito distante. Faça a experiência de estar lá e deixe-se levar pelas suas percepções. Bom, para ir ao Rio Roncador você vai também ganhar um outro passeio delicioso, que é a navegacão em pequenas canoas pelo Rio Marimbus e se deleitar com esse mini-pantanal e sua vegetação de lírios aquáticos no meio do semiárido. A chegada é pela comunidade quilombola da Vila do Remanso.

 

- Consulte o Guia da Chapada para programar seu roteiro de visitas e não deixe de ir aos poços e grutas. Ou simplesmente chegue lá e siga sua intuição. E não fique chateado se você voltar com a impressão de que havia muito mais para você conhecer, pois com certeza há! Infinita é a Chapada e suas paisagens.

 

 

1vistapaiinacio.jpg
2morrocamelo.jpg
3riopratinha.jpg
4riopratinha.jpg
5rioroncador.jpg
6roncador.jpg
7roncador.jpg
8marimbus.jpg
9marimbus.jpg
10waterlily.jpg
11caatinga.JPG
12caatingaestrada.JPG
13catingaestrada.JPG
14trilhagrutalapa.JPG
15entradalapa.JPG
16intlapa.JPG
17intlapaa.JPG
18salaoareiaslenc.JPG
19trilhariolencois.jpg
20vistaciddlencois.JPG
21ciddlencois.jpg
22capaomorrao.jpg
23morrao.jpg
24lencois.jpg
24aguasclaras.jpg
26capao.jpg
25aguasclaras.jpg
28capao.jpg
29bromelia.jpg
29capao.jpg
30sempreviva.jpg
31cobritcha.jpg